960x300 (1)

Universidade Federal de Roraima inaugura laboratórios para trabalhar pesquisas e capacitações em Inteligência Artificial, Internet das Coisas e Ciência de Dados

Prefeitura lança edital de chamamento para área de alimentação do festival Mormaço Cultural
Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix
Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 9 milhões
Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio estimado em R$ 120 milhões

A Universidade Federal de Roraima (UFRR)) realiza nesta quinta-feira (20) a inauguração dos laboratórios onde serão trabalhadas temáticas que envolvem Inteligência Artificial, Internet das Coisas e Ciência de Dados. A solenidade ocorre no horário das 15h, no Centro de Tecnologia e Inovação (CTI), no campus Paricarana.

Os laboratórios chamados de Fox Data e IA/Maloca das Icoisas serão utilizados para pesquisas, capacitações e buscam ser uma infraestrutura para viabilizar os projetos de tecnologia que universidade tem realizado.

Segundo o coordenador dos projetos de Inteligência Artificial e professor do departamento de Ciências da Computação da UFRR (DCC/UFRR), Felipe Lobo, os recursos são oriundos da Lei da Informática (Lei 8.387/1991) por meio da Suframa/Capda. “Nós somos credenciados e recebemos recursos por meio do Capda. Então o departamento vem realizando projetos com essas temáticas, pesquisas e capacitações que algumas vezes ocorrem online e tem como público diversas pessoas do Brasil. Os laboratórios serão adaptados com infraestrutura de ponta para trabalharmos nesses projetos em execução e futuras pesquisas nas áreas de Inteligência Artificial, Ciência de Dados e Internet das Coisas, além de capacitações, treinamentos nessas três áreas com equipamentos de qualidade para realizarmos todas essas ações”, explica o professor.

Os recursos provenientes da Lei de Informática da Zona Franca de Manaus (ZFM) são investimentos destinados a difundir a pesquisa, o desenvolvimento e inovação (PD&I) na região da Amazônia Ocidental (Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima), além do Amapá. Ocorrem em contrapartida aos incentivos fiscais administrados pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) para empresas produtoras de bens de tecnologia de informação e comunicação. Assim essas empresas devem investir nessas atividades por meio de recursos avalizados e geridos pelo Comitê das Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento na Amazônia (Capda).


Além do DCC/UFRR, da universidade estão credenciadas a receber os recursos do Capda, o Programa de Pós-Graduação em Agronomia (Posagro/UFRR) e o Departamento de Engenharia Elétrica (DEE/UFRR).

Os laboratórios são parte do Centro de Inovação e Tecnologia (CIT) que será o futuro parque tecnológico da UFRR que abrigará também startups, as empresas juniores, incubadoras e estruturas que visam trabalhar com o desenvolvimento de inovação.

Para o professor Felipe Lobo, esta é uma oportunidade de trabalhar temáticas de tecnologia que já estão presentes no cotidiano das pessoas em Roraima e no mundo. “A ideia é primeiro capacitar as pessoas em novas tecnologias, como a IA. São demandas grandes do mercado de trabalho atualmente e queremos difundir esse conhecimento básico do assunto. Por exemplo, a inteligência artificial está sendo aplicada a tudo e não podemos ficar de fora de temáticas fundamentais trabalhando também o nosso contexto regional frente a essas tecnologias”, destaca ainda Felipe.


O que é o Capda?

O Capda é formado por representantes do governo federal, dos governos dos estados da Amazônia Ocidental e Amapá, de instituições de fomento à pesquisa e inovação, da comunidade científica e do Polo Industrial de Manaus. Ele é que define critérios para credenciamento e descredenciamento de instituições científicas e de inovação tecnológicas (ICTs), incubadoras e aceleradoras, gestão dos recursos destinados a essas atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação, além do estabelecimento das regras de funcionamento geral desses programas.

Para se credenciar é necessário que os interessados comprovem que sua principal atividade é a execução e desenvolvimento de pesquisa. Além disso, precisam provar que possuem infraestrutura e instalações que são compatíveis com as atividades propostas, entre outros, critérios.

Junto com a UFRR, a Amazônia Ocidental e o estado do Amapá possuem atualmente 58 unidades credenciadas e habilitadas para executar essas atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação (PD&I).

Fonte: UFRR

Está gostando do conteúdo ? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email
Print

Confira mais ...

TSE vai enviar observadores para eleições na Venezuela
Secretaria Especial da Mulher da ALE-RR já confeccionou 30 perucas este ano e segue com arrecadação de cabelos
Ministério Público denuncia policial penal pela morte de agente de saúde
Grupo Galpão realiza oficinas de teatro gratuitas em Boa Vista
Programa de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa participa de seminário sobre tráfico de pessoas e a proteção à criança
Polícia Civil apreende cocaína e munições com garimpeiro
Inscrições no processo seletivo para contratação de técnico especializado em Língua de Sinais vão até 17 de julho
Argentina vence a Colômbia e se torna a maior campeã da Copa América