Além do coronavírus, eleições também ameaçam o crescimento da economia em 2022

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025
Policial militar morre após perder controle de moto e ser atropelado por uma caçamba em Boa Vista
Motociclista morre após ser atingido por carro dirigido por jovem bêbado no Sul de Roraima
Desenvolve RR faz prospecção de clientes durante feira em Normandia

A combinação entre juros altos, inflação e coronavírus vai ganhar as Eleições 2022 como uma ameaça adicional ao crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) — soma de bens e serviços produzidos no país — no ano que vem.

Leia também -Presidente faz pronunciamento com balanço de ações do governo

A dúvida leva em conta que as incertezas trazidas durante os pleitos, principalmente os que envolvem possíveis mudanças no Executivo, criam dúvidas a respeito do futuro e sempre colocam em risco as expectativas de crescimento da economia.

“As eleições trazem uma certa incerteza para o crescimento, com um principal impacto nos investimentos, que são afetados em momentos de incerteza e trocas de governo”, afirma Patrícia Krause economista-chefe da Coface para a América Latina.

Para Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, a disputa acalorada deve impactar ainda mais as incertezas.

“2022 é ano eleitoral, no qual, historicamente há pequenos avanços nas necessárias reformas estruturantes para melhora do ambiente fiscal, o que deve ser ampliado pelo atual dicotômico ambiente político”, avalia ele.

Patrícia destaca que o pleito pode trazer também uma volatilidade cambial. “Isso pode ser um efeito e até um risco para que a questão inflacionária de 2022”, observa ela ao comemorar a independência do BC (Banco Central) pela primeira vez em um período eleitoral.

As percepções são confirmadas pelas expectativas apresentadas semanalmente pelo BC (Banco Central), que já preveem uma alta de apenas 0,5% do PIB no ano que vem. “Essa sinalização indica que apenas vamos repor as perdas causadas pela pandemia”, diz Sanchez.

Rachel de Sá, chefe de economia da Rico Investimentos, por sua vez, prevê que as perdas causadas pela pandemia já serão revertidas neste ano, apesar da recessão técnica, e o desafio é manter a alta da atividade em 2022.

“Nossa expectativa é de um crescimento zero do PIB em 2020, de que não haverá avanço e nem contração da economia. Alguns setores devem ter uma retração importante, mas a agropecuária, que foi mal neste ano, deve apresentar uma recuperação forte”, analisa Rachel.

“Essa sinalização indica que apenas vamos repor as perdas causadas pela pandemia”, diz Sanchez.

Rachel de Sá, chefe de economia da Rico Investimentos, por sua vez, prevê que as perdas causadas pela pandemia já serão revertidas neste ano, apesar da recessão técnica, e o desafio é manter a alta da atividade em 2022.

“Nossa expectativa é de um crescimento zero do PIB em 2020, de que não haverá avanço e nem contração da economia.

Alguns setores devem ter uma retração importante, mas a agropecuária, que foi mal neste ano, deve apresentar uma recuperação forte”, analisa Rachel.

Está gostando do conteúdo ? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email
Print

Confira mais ...

PF deflagra operação para combater desvio de recursos da Secretaria Estadual de Saúde de Roraima
Polícia Civil prende homem condenado por estupro de crianças
Abertas vagas para processo seletivo de bolsistas para Embrapa RR
Polícia Civil cumpre cinco mandados de prisão preventiva contra acusados de homicídio em Alto Alegre
FICCO-RR PRENDE UMA PESSOA POR TRÁFICO DE DROGAS EM BOA VISTA
Polícia Civil cumpriu mandados de prisão e apreensão para esclarecer morte de casal
PL que altera lei de regularização fundiária de Roraima possui 37 emendas propostas por comissão especial da ALE-RR
Polícia Civil esclarece fraude Imobiliária, localiza suspeito de estelionato e apreende veículos