Projeto-Piloto de piscicultura “Moro-Morí” transforma comunidade indígena Serra da Moça em exemplo de sustentabilidade

Roraima recebe 16 blindados do Exército para reforçar segurança na fronteira com Venezuela
Governo de Roraima impulsiona produção rural e agronegócio com expressivos investimentos
Carro pega fogo em semáforo após manutenção elétrica
Expoferr 2023 reúne público recorde de mais de 500 mil pessoas em cinco dias de evento

A comunidade indígena Serra da Moça encerra o ano de 2023 com êxito no projeto-piloto de piscicultura “Moro-Morí”, implementado em março pelo prefeito Arthur Henrique. Esta semana, foi realizada a despesca de 1,8 tonelada de tambaqui, que já está disponível para venda na cidade e em comunidades indígenas vizinhas.

A despesca envolve a retirada dos peixes dos viveiros, destinando-os ao consumo local e à comercialização. O prefeito Arthur Henrique expressou sua satisfação ao ver os resultados do esforço dos piscicultores na própria comunidade indígena, destacando os investimentos da gestão na agricultura familiar.

“Oferecemos suporte integral, desde a escavação dos tanques até a capacitação dos produtores, entrega de alevinos, fornecimento de ração em todas as etapas, entrega de equipamentos para monitoramento da qualidade da água e dos peixes, além da assistência técnica ao longo do ciclo. Agora, parte dos peixes, com peso entre 2,5 kg e 4 kg, está disponível para consumo e venda na comunidade. Nossa meta é expandir essa iniciativa para todas as comunidades indígenas em breve,” afirmou o prefeito.

O tuxaua da comunidade Serra da Moça, Alexsandro Chagas, enfatizou a importância da capacitação recebida pelos produtores, desde a criação dos alevinos até a despesca. “Foram cerca de nove meses de trabalho, graças ao apoio da prefeitura. Agora, com a primeira despesca, fortalecemos a sustentabilidade e impulsionamos a economia da nossa comunidade,” disse o tuxaua.

O técnico em piscicultura Juarez Barros acompanha todo o processo, desde a análise da água até o fornecimento da ração adequada para cada fase de crescimento dos peixes.

“Realizamos uma sondagem para a construção do tanque, povoamos com alevinos e oferecemos assistência técnica mensal do início ao fim, incluindo treinamento teórico e prático. Este projeto da prefeitura está sendo bem-sucedido, e a ideia é que a comunidade prossiga com ele,” destacou Juarez Barros.

Desenvolvido pela Prefeitura de Boa Vista, o projeto “Moro-Morí” visa beneficiar as 17 comunidades indígenas, impactando cerca de 800 famílias. Serra da Moça foi a primeira a receber essa iniciativa, abrangendo 12 famílias de produtores. As próximas comunidades a realizar a despesca são Campo Alegre, Darôra, Vista Alegre e Ilha, prevista para o próximo mês de fevereiro.

Fonte: Ascom/PMBV

Está gostando do conteúdo ? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email
Print

Confira mais ...

Roraima recebe 16 blindados do Exército para reforçar segurança na fronteira com Venezuela
Idoso fica gravemente ferido após colisão entre motos na RR-205, em Boa Vista
Prefeito de Boa Vista reforça segurança com entrega de novos equipamentos para Guarda Municipal
Tragédia na RR-205: Homem de 33 anos morre em acidente de carro em Alto Alegre
Governo de Roraima impulsiona produção rural e agronegócio com expressivos investimentos
Prefeitura de Boa Vista abre processo seletivo com 977 vagas e salários de até R$ 4.305,43
Projeto-Piloto de piscicultura “Moro-Morí” transforma comunidade indígena Serra da Moça em exemplo de sustentabilidade
Prefeitura revitaliza sinalização horizontal de ruas e avenidas de Boa Vista