960x300

Projeto-Piloto de piscicultura “Moro-Morí” transforma comunidade indígena Serra da Moça em exemplo de sustentabilidade

Revisão de dados indica recuo em número de jovens nem-nem
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025
Policial militar morre após perder controle de moto e ser atropelado por uma caçamba em Boa Vista
Motociclista morre após ser atingido por carro dirigido por jovem bêbado no Sul de Roraima

A comunidade indígena Serra da Moça encerra o ano de 2023 com êxito no projeto-piloto de piscicultura “Moro-Morí”, implementado em março pelo prefeito Arthur Henrique. Esta semana, foi realizada a despesca de 1,8 tonelada de tambaqui, que já está disponível para venda na cidade e em comunidades indígenas vizinhas.

A despesca envolve a retirada dos peixes dos viveiros, destinando-os ao consumo local e à comercialização. O prefeito Arthur Henrique expressou sua satisfação ao ver os resultados do esforço dos piscicultores na própria comunidade indígena, destacando os investimentos da gestão na agricultura familiar.

“Oferecemos suporte integral, desde a escavação dos tanques até a capacitação dos produtores, entrega de alevinos, fornecimento de ração em todas as etapas, entrega de equipamentos para monitoramento da qualidade da água e dos peixes, além da assistência técnica ao longo do ciclo. Agora, parte dos peixes, com peso entre 2,5 kg e 4 kg, está disponível para consumo e venda na comunidade. Nossa meta é expandir essa iniciativa para todas as comunidades indígenas em breve,” afirmou o prefeito.

O tuxaua da comunidade Serra da Moça, Alexsandro Chagas, enfatizou a importância da capacitação recebida pelos produtores, desde a criação dos alevinos até a despesca. “Foram cerca de nove meses de trabalho, graças ao apoio da prefeitura. Agora, com a primeira despesca, fortalecemos a sustentabilidade e impulsionamos a economia da nossa comunidade,” disse o tuxaua.

O técnico em piscicultura Juarez Barros acompanha todo o processo, desde a análise da água até o fornecimento da ração adequada para cada fase de crescimento dos peixes.

“Realizamos uma sondagem para a construção do tanque, povoamos com alevinos e oferecemos assistência técnica mensal do início ao fim, incluindo treinamento teórico e prático. Este projeto da prefeitura está sendo bem-sucedido, e a ideia é que a comunidade prossiga com ele,” destacou Juarez Barros.

Desenvolvido pela Prefeitura de Boa Vista, o projeto “Moro-Morí” visa beneficiar as 17 comunidades indígenas, impactando cerca de 800 famílias. Serra da Moça foi a primeira a receber essa iniciativa, abrangendo 12 famílias de produtores. As próximas comunidades a realizar a despesca são Campo Alegre, Darôra, Vista Alegre e Ilha, prevista para o próximo mês de fevereiro.

Fonte: Ascom/PMBV

Está gostando do conteúdo ? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email
Print

Confira mais ...

Sindicatos de servidores estaduais solicitam apoio de presidente da ALE-RR para reajuste salarial
PRF prende motorista por Uso de Documento Falso no Cantá
Assembleia Legislativa cria comissão especial para apurar indícios de irregularidades no Governo de Roraima
População pode sugerir prioridades de investimento para Roraima
Prefeitura inicia pesquisa com motoristas de veículos particulares e de carga em Boa Vista
Seleção brasileira treina em Orlando, onde enfrenta os EUA na quarta
Iniciam amanhã as inscrições para os novos cursos de ensino a distância da Escola do Legislativo
PF prende duas pessoas por crimes ambientais e porte ilegal de arma de fogo em Roraima