960x300 (1)

MPRR move ação contra ex-prefeito e ex-secretário por desvio de milhões em empréstimos Consignados

Prefeitura lança edital de chamamento para área de alimentação do festival Mormaço Cultural
Banco Central comunica vazamento de dados de 39 mil chaves Pix
Mega-Sena acumula e prêmio vai a R$ 9 milhões
Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio estimado em R$ 120 milhões

O Ministério Público do Estado de Roraima (MPRR) tomou medidas legais ao ajuizar uma Ação Civil Pública por improbidade administrativa envolvendo o Município de Rorainópolis e dois indivíduos: o ex-prefeito da cidade, Leandro Pereira da Silva, e o ex-secretário municipal de Finanças, Samuel dos Santos Moraes.

A ação foi apresentada na última sexta-feira, 7 de outubro, pela Promotoria de Justiça de Rorainópolis, devido à ausência de repasses das parcelas relacionadas a empréstimos consignados à Caixa Econômica Federal.

De acordo com a ação, o município efetuava descontos nos contracheques dos servidores em relação aos empréstimos, porém, esses valores não eram repassados à instituição bancária desde 2018. Segundo as investigações, Leandro Pereira e Samuel dos Santos retiveram e desviaram um montante atual de R$ 5.093.490,68 (cinco milhões, noventa e três mil, quatrocentos e noventa reais e sessenta e oito centavos) provenientes de empréstimos contratados pelos servidores.

O Promotor de Justiça André Felipe Bagatin enfatiza que, na qualidade de prefeito e secretário de Finanças, os réus eram diretamente responsáveis pelos pagamentos dos empréstimos consignados.

“Os cofres públicos municipais, já fragilizados, agora possuem uma dívida significativa com a Caixa Econômica. Essa situação preocupante persiste por anos, sem a adoção de medidas concretas pelos réus para saná-la. Os valores descontados são rendimentos pessoais dos servidores, que deveriam ter sido repassados ao banco. Isso sugere apropriação ou desvio por parte dos acusados”, observou o Promotor de Justiça.

Além disso, a Ação do MPRR também busca uma condenação do município para o pagamento de indenizações por danos morais aos servidores públicos prejudicados, estimados em R$ 15.000,00 por vítima.

Conforme mencionado pelo Promotor de Justiça, também foi iniciada uma investigação de peculato em relação aos envolvidos.

Está gostando do conteúdo ? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email
Print

Confira mais ...

TSE vai enviar observadores para eleições na Venezuela
Secretaria Especial da Mulher da ALE-RR já confeccionou 30 perucas este ano e segue com arrecadação de cabelos
Ministério Público denuncia policial penal pela morte de agente de saúde
Grupo Galpão realiza oficinas de teatro gratuitas em Boa Vista
Programa de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania da Assembleia Legislativa participa de seminário sobre tráfico de pessoas e a proteção à criança
Polícia Civil apreende cocaína e munições com garimpeiro
Inscrições no processo seletivo para contratação de técnico especializado em Língua de Sinais vão até 17 de julho
Argentina vence a Colômbia e se torna a maior campeã da Copa América