China vai criar ‘Lua artificial’ para estudar a gravidade do satélite

Desenvolve RR faz prospecção de clientes durante feira em Normandia
Roraima recebe 16 blindados do Exército para reforçar segurança na fronteira com Venezuela
Governo de Roraima impulsiona produção rural e agronegócio com expressivos investimentos
Carro pega fogo em semáforo após manutenção elétrica

No dia 11 de janeiro, a China anunciou a iniciativa para construir uma instalação que vai simular um ambiente de baixa gravidade, como a Lua. A ideia do projeto, considerado o primeiro do mundo, é permitir que os pesquisadores chineses estudem as atividades de exploração lunar.

A instalação de pesquisa simula um ambiente de baixa gravidade usando sustentação por um campo magnético, com uma mini lua de 60 cm de diâmetro composta por pequenas rochas e areia, segundo informações do jornal South China Morning Post, de Hong Kong.

Quando o campo está forte o suficiente, é possível magnetizar e levitar diversas coisas — eles já fizeram testes com uma castanha e até um sapo vivo.

Em direção à Lua até 2030

De acordo com o cientista-chefe do projeto, Li Ruilin, da Universidade de Mineração e Tecnologia da China, o simulador lunar é o primeiro do mundo a atingir esse nível. Apesar de a gravidade ser reduzida em quedas livres, é um efeito momentâneo, já o simulador será capaz de manter esse efeito sem um tempo determinado para desligá-lo.

Foto da Lua capturada pela espaçonave robótica Lunar Reconnaissance Orbiter
Foto da Lua capturada pela espaçonave robótica Lunar Reconnaissance OrbiterFonte:  Nasa 

A ideia foi emprestada do físico russo Andre Geim, que ganhou um Prêmio Nobel após levitar um sapo usando ímãs — posteriormente, ele também ganhou outro Nobel por seus estudos em grafeno. Inclusive, Geim revelou que está satisfeito que seu experimento esteja ajudando a pesquisa espacial.

“A levitação magnética certamente não é o mesmo que a antigravidade, mas há uma variedade de situações em que imitar a microgravidade por campos magnéticos pode ser inestimável para esperar o inesperado na pesquisa espacial”, disse o físico russo.

Apesar de os Estados Unidos liderarem a nova corrida espacial, a China está trabalhando fortemente com o seu programa de exploração lunar para alcançar o país americano. Em 2019, os cientistas chineses pousaram um rover na Lua e, em 2020, trouxeram amostras recolhidas no satélite natural. Até 2030, a China prevê enviar astronautas para a Lua e desenvolver uma base lunar com a Rússia.

Fonte: Tecmundo

Está gostando do conteúdo ? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email
Print

Confira mais ...

Cooperação entre PF e Polícia da Guiana promove captura de foragidos brasileiros em Georgetown
Detran-RR restitui valores para motoristas de veículos leiloados a partir de 2020
Atricon e TCERR incentivam apoio à campanha “Se Renda à Infância” 2024
Soldado Sampaio explica motivações para rompimento político com governador Antonio Denarium
PRF em Roraima prende motorista por cinco crimes diferentes
Desenvolve RR faz prospecção de clientes durante feira em Normandia
Festival da Melancia é sucesso em Normandia
Prefeitura abre período de matrículas para vagas em escolas conveniadas