Aliança Geopolítica Rússia-China e suas Implicações na Assembleia Geral da ONU

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025
Policial militar morre após perder controle de moto e ser atropelado por uma caçamba em Boa Vista
Motociclista morre após ser atingido por carro dirigido por jovem bêbado no Sul de Roraima
Desenvolve RR faz prospecção de clientes durante feira em Normandia

Enquanto líderes mundiais buscam destaque na Assembleia Geral da ONU, os principais atores do bloco adversário dos Estados Unidos na Guerra Fria 2.0 têm outros planos.

O presidente russo, Vladimir Putin, fará sua primeira viagem ao exterior desde a emissão de um mandado de prisão pelo Tribunal Penal Internacional em março. Ele visitará a China de Xi Jinping, seu aliado principal na rivalidade geopolítica com os EUA.

Embora Putin e Xi tenham faltado a reuniões anteriores da ONU, ambos enfatizam o multilateralismo em seus discursos de política externa. Agora, eles passam das palavras para ações concretas. A Rússia recebeu o ministro das Relações Exteriores chinês, Wang Yi, para discutir questões como a Guerra na Ucrânia e a tensão na Península Coreana. Putin também se encontrou com Kim Jong-un, líder da Coreia do Norte, aliado de Pequim.

Além disso, o ministro da Defesa russo, Serguei Choigu, planeja visitar o Irã para discutir cooperação militar, o que preocupa os aliados dos EUA no Indo-Pacífico. Drones iranianos estão sendo usados na Ucrânia, e os norte-coreanos podem fornecer munição para a Rússia.

Essa aliança entre Rússia, China, Irã e Coreia do Norte está causando preocupação no Indo-Pacífico, com Japão e Coreia do Sul pedindo que Moscou interrompa o contato militar com Kim devido a ameaças nucleares.

Além disso, o ditador sírio, Bashar al-Assad, visitará Pequim, graças ao apoio militar russo que o ajudou a permanecer no poder na Síria.

Esse cenário global se intensificou com a ascensão da China, levando a um confronto com os EUA, que se agravou durante as administrações de Donald Trump e Joe Biden.

Na ONU, teremos três cenários: os EUA e aliados denunciando a agressividade da Rússia e da China, o presidente ucraniano denunciando a invasão de seu país, e líderes emergentes como Luiz Inácio Lula da Silva criticando a falta de representatividade no Conselho de Segurança da ONU.

Entretanto, a posição do Brasil é contestada pelo Ocidente, pois condena a invasão russa, mas não adota sanções contra Moscou e mantém uma posição de neutralidade que é menos firme do que a da Índia, que é cortejada pelos EUA e Europa.

Está gostando do conteúdo ? Compartilhe!

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Telegram
Email
Print

Confira mais ...

Empresário e funcionária pública acusados de estupro de vulnerável são presos pela polícia
Governo contratará psicólogos, assistentes sociais e nutricionistas para atender rede estadual de ensino
ALE-RR discute políticas públicas em visita de diretor da Casa de Governo a Roraima
Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025
Empreendedores participam de oficina sobre Microcrédito Consciente
PRF em Roraima apreende arma de fogo, ouro, minérios e combustível contrabandeado
Curso de edição de fotos e vídeos para celular aprimora habilidades de servidores da ALE-RR
Policial militar morre após perder controle de moto e ser atropelado por uma caçamba em Boa Vista